659 - A MORTE DO ASTRÔNOMO
Qua, 16 de Maio de 2018 10:25

Era uma vez um professor de astronomia que tinha verdadeira paixão pelos astros. Passava noites inteiras a estudar as estrelas, quer no telescópio, quer a olho nu. Esquecia-se até de comer. Vivia, como se diz, no mundo da lua.Uma tarde saiu apressadamente para dar sua aula. Estava atrasado, mas nem por isso despregava os olhos das estrelas. Ao atravessar uma pontezinha estreita e sem corrimão, caiu no riacho com livros, óculos e tudo. Debateu-se desesperadamente, mas sempre espiando para as estrelas. Não havia ninguém para acudi-lo. Morreu e foi sepultado com todas as honras de um astrônomo. Não faltaram os discursos ao pé do túmulo. Um homem do povo, enquanto ouvia as belas tiradas oratórias, cochichou para o seu vizinho:- De que lhe serviu tanta sabedoria? Teria sido melhor para ele se tivesse aprendido a olhar para o chão enquando caminhava.

Palavra de vida: O que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro, se vier a perder a vida e a alma...? (Mt 16,26)

 

Outros artigos